Malungos

Porque povo somos nós
e não somos o invés
solto à sorte estamos a sós
juntando quaisquer réis
alvo assim dos playboys
no pulso seus anéis
preso nossos pés
embargada nossa voz

Acredito no invés
nós assim por nós
unindo forças através
e não ser isca de anzóis
de pálidas cascavéis
pra gente outros faróis
livre albatroz
remo firme dos batéis

E nós assim por nós
e já foi invés
um tempo triste e atroz
embaixo do convés
maldade assim veloz
de milhão foi mais de dez
pro prazer dos coronéis
pra fome do feroz

Prefiro o invés
nós assim por nós
massacrando os cruéis
defendendo os avós
pra não ter revés
o segredo dos ebós
bagunçando o algoz
confundindo os infiéis

Se assim nós por nós
não seremos invés
arriba dos bemóis
sem limite os decibéis
embaixo dos lençóis
eternizando os cordéis
outro rumo pros papéis
na manhã dos arrebóis

e não ser o invés
nós assim por nós
desbravando as marés
na boca dessa foz
outro rumo pras galés
atitude muita e após
como foram meus heróis
olhar firme e não viés

É pra nós que é de nós
não alimentar o invés
nos corações paióis
Nos desesperos pontapés
brotar na gente sóis
enche de riso os tonéis
saber quem tu és
é saber quem somos nós